BLOG // MARCHA DA MACONHA

AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE A MACONHA


Por que um bloco feminista na Marcha da Maconha?

27/05/13

images

É curioso quando ouvimos a pergunta: “feminismo e antiproibicionismo, qual a relação?”. A primeira resposta que temos é que onde houver desigualdade de gênero, a luta feminista se faz necessária. Aqui, é importante notar, a desigualdade de gênero compreende questões como sexualidade, raça, classe, idade e suas intersecções.

A segunda resposta diz respeito às especificidades das lutas antiproibicionista e feminista. Ainda que tenhamos, enquanto mulheres, feito várias conquistas como o direito ao voto, ao estudo, ao trabalho (ainda que não tenhamos necessariamente alcançado equidade), é curioso notar que ainda acontece de uma mulher estar bebendo sozinha num bar, por exemplo, e ser vista com desconfiança, tida como estranha, louca, deprimida, disponível, prostituta, alcoólatra etc. São muitos os adjetivos utilizados para uma mulher sozinha num ambiente público, tradicionalmente masculino.

O prazer corporal para a mulher ainda é visto como proibido, como se ela não tivesse esse direito ou acesso, como se seu corpo não lhe pertencesse. E claro, a mulher nesse contexto está mais vulnerável a situações de constrangimento e violência.

No caso das drogas ilegais, esses estereótipos são ainda mais reforçados. Parece haver uma ideia de que a mulher, destinada unicamente à maternidade e ao ambiente privado do lar, não pode ter esses hábitos, uma afronta à sua condição social de mulher, aos seus filhos, à moral.

Nesse sentido, as drogas que são mais aceitas para mulheres usarem são as medicamentosas, como os antidepressivos (as mulheres ainda formam o grupo para o qual esse remédio é mais prescrito), pílulas de emagrecimento, remédios para dormir, a lista é grande.  Drogas que a mantenham no papel que lhe foi incumbido, não que a desviem dali.

Hoje temos no Brasil, de acordo com dados do Departamento Penitenciário Nacional, 36.039 mulheres atrás das grades. Entre elas, 47% (17.178) foram presas por venda de drogas. Algumas vezes por ser seu meio de sustento, outras por serem usuárias, mas outras, de maneira fortemente recorrente, por auxiliar seus companheiros, ao levar drogas a eles nas prisões, para ajudá-los no espaço do comércio ilegal, etc.

E nesse contexto, uma série de pesquisas anuncia que o estigma contra as mulheres presas é muito alto, por exemplo, como visto no número reduzido de visitas, nos maus tratos a que são submetidas, nas insalubres condições prisionais, na falta de atendimento médico específico como ginecologia, e na terrível forma como tratam as grávidas na prisão (há relatos de mulheres dando a luz algemadas).

Outra política pública que não considera as especificidades da relação mãe-bebê é a da retirada do filho recém nascido da mulher que usa crack, aliás, a mais demonizada dos estereótipos da mulher que usa drogas. Não há outras formas de tratar as mulheres que usam drogas e tem filhos? São Bernardo do Campo tem histórias muito bem sucedidas de abrigos oferecidos para mulheres usuárias e suas famílias, ao invés da simples punição. É importante lembrar que quando o pai usa álcool ou outras drogas, seu filho não é retirado.

Exemplos de maus tratos em tratamento de drogas tanto para mulheres quanto para população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, intersex, etc.) é recorrente, sendo esse mais um campo onde estigmas e preconceitos circulam soltos.

Além disso, é o mesmo Estado (hegemonicamente masculino) e a Igreja (hegemonicamente masculina) que baseados em preceitos morais e interesses políticos de controle, criminalizam tanto o uso de drogas quanto o aborto. As duas proibições – que por sinal, em nada inibem a prática dessas condutas – representam uma ingerência indevida do Estado nas decisões da esfera privada das pessoas, legislando sobre seus corpos.

O que faremos com nosso próprio corpo quem decide somos nós, e lutaremos até que possamos, sem repressão, estigma, mortes ou encarceramento, escolher com autonomia se interrompemos ou não uma gravidez e se usaremos ou não a substância psicoativa que bem entendermos.

As lutas antiproibicionista e feminista compartilham, já de cara, o combate a um status quo sustentado por interesses de setores políticos, econômicos e por valores morais que estruturam nossa sociedade. Esses setores, já há muito tempo, percebem a relação das lutas que os questionam, não são poucas as vezes em que assistimos atos conservadores unindo as pautas contra a legalização da maconha, do aborto e da união homoafetiva. Assim como o questionamento sobre a proibição das drogas não é tarefa apenas de usuários, as lutas feministas devem atingir todos que buscam uma sociedade igualitária. Engrossamos, portanto, as fileiras das manifestações dessas duas lutas imprescindíveis, e num processo de troca e fortalecimento, avançaremos na busca de outra sociedade.

Participe do bloco feminista da Marcha da Maconha SP.

Contato: blocofeministamdm@gmail.com

Quer uma camiseta do bloco feminista da Marcha da Maconha SP?

17/05/13

Ventre-Livre-branco_redux

Como fazer para obter a sua camiseta “ventre livre cabeça feita” da Marcha da Maconha São Paulo:

Envie por email a quantidade e numeração que você deseja, com seu nome e endereço completo para: mulhercacto@gmail.com.

Você receberá um email confirmando o recebimento com os dados para depósito.

1 camiseta R$ 20,00 + frete
2 camisetas R$30 + frete
3 camisetas R$ 50,00 + frete
Confira o valor do frete sedex para sua cidade:
Preencha os campos com seus dados e calcule o frete para seu endereço:
cep de origem: 05055-000
peso estimado 300 g
formato envelope
Faça o depósito e envie o comprovante para mulhercacto@gmail.com.
Enviaremos a confirmação do pagamento e o comprovante do envio
As camisetas serão remetidas toda segunda e quinta-feiras
Prazo de entrega sedex: 1 dia útil
Se você mora em são paulo podemos agendar a entrega e você pode retirar em um destes pontos COM HORA MARCADA, conforme a nossa disponibilidade:
USP
MASP
UNIFESP
METRO VILA MADALENA
Tamanhos disponíveis:
Camiseta básica – P . M . G . GG
Baby look – M . G . GG  (G e GG a partir do dia 17)

Psicodélico, Zona Sul e Esquerda Canábica: mais três blocos confirmados pra Marcha da Maconha SP 2013

16/05/13

Sob o lema A PROIBIÇÃO MATA: LEGALIZE A VIDA, a Marcha da Maconha de São Paulo de 2013, que acontece daqui a três meses, no dia 8 de junho, buscará seguir a proposta já iniciada nos últimos anos de se articular com o máximo de setores a fim de questionar a proibição das drogas e as outras opressões em curso em nossa sociedade. Como parte deste processo, o coletivo da Marcha estimulará a existência de blocos durante o evento.

Depois de já lançados, espalhados e confirmados os blocos Medicinal, Religioso e Feminista, agora mais três chegam pra somar : os blocos Psicodélico, da Zona Sul e da Esquerda Canábica.

Saiba mais e confirme presença no facebook:

Bloco Psicodélico

Bloco da Zona Sul

Bloco da Esquerda Canábica

marcha da maconha

MARCHA DA MACONHA SP 2013

VENHA EM BLOCO!

Em 2013 a Marcha da Maconha ocupará as ruas de São Paulo pelo sexto ano em busca da regulamentação do consumo, plantio e comércio de maconha e em defesa do fim da guerra às drogas. Passados quatro anos de proibições e ataques jurídicos e policiais, este é o segundo em que não há nenhum impedimento para a livre expressão da Marcha, possibilitando-nos de sair da defensiva e dialogar francamente com a sociedade a respeito de nossas proposições e ideias.

A fim de melhor implementar isso, fazendo também dos meses de construção da Marcha um espaço de troca de ideias e articulações, estamos propondo para 2013 a organização de BLOCOS em nossa Marcha. A ideia é atuar em uma via de mão dupla: por um lado queremos trazer pautas, grupos, movimentos e demandas específicas para dentro de nossa Marcha, potencializando-as, aprendendo com elas e lembrando que não basta uma regulamentação justa das drogas em um mundo injusto e opressor – quando uma luta avança, nenhuma retrocede. Por outro, gostaríamos que a discussão antiproibicionista perpassasse o maior número de setores possível, e acreditamos que os blocos podem contribuir muito neste sentido.

Assim, estamos organizando alguns blocos e, sobretudo, gostaríamos de estimular a criação auto-organizada de outros deles. Há anos estamos nas ruas tentando mostrar que a a guerra às drogas afeta a todos, usuários ou não, e que, consequentemente, combatê-la é tarefa de todos que acreditam em outro mundo possivel e necessário. Com esta iniciativa gostaríamos de dar mais um passo neste sentido, e também no de fazer a Marcha da Maconha cada vez uma marcha de todas as lutas e vozes em busca de dias mais justos e, sobretudo, livres.

Construa seu bloco, faça parte da mudança! MARCHA DA MACONHA SP 2013


» Carta de Princípios
» Colabore - 2013